1.6.6. "O quarto período"

Objetivos

Garantir o acesso dos alunos e dos professores à fruição artística e à produção cultural, corrigindo as desigualdades nesse acesso (sociais, económicas ou territoriais).

Fomentar a colaboração entre agentes artísticos e a comunidade educativa, promovendo um currículo integrador e derrubando muros.

Consciencializar para o valor do património cultural como fator de pertença e para as artes como promotoras da inclusão e da formação integral do cidadão.

Reconhecer o valor das diferenças culturais e do diálogo entre culturas.

Promover o bem-estar psicológico, a possibilidade de partilha e de diálogo sobre emoções e sentimentos.

Descrição

O “quarto período”/mochila cultural é um período paralelo aos três períodos letivos habituais. Não corresponde a atividades artísticas em tempo de férias, mas a um programa transversal, ao longo do ano letivo, de fruição cultural e de aprendizagens em contexto informal ou não-formal.  É a proposta de uma “mochila cultural” (medida do Plano Nacional das Artes): tal como a mochila leva cadernos, livros e materiais necessários às aulas, deve levar propostas culturais/artísticas essenciais ao desenvolvimento dos alunos.

Desde modo, pretende-se diversificar a presença das artes, dos patrimónios e das culturas na escola, em diálogo com as diferentes disciplinas do currículo, promovendo a abertura das escolas aos artistas e mediadores culturais e a saída dos alunos para as instituições culturais, artísticas e patrimoniais: tornar as instituições culturais em território educativo e as escolas em polos culturais.

 

 

Benefícios e Impactos

Desenvolvimento:

- das competências específicas que forem identificadas pelas escolas como prioritárias;

- do trabalho colaborativo;

- da empatia;

- do conhecimento de si e dos outros;

- da capacidade de interpretação;

- do pensamento crítico;

- da criatividade;

- das múltiplas linguagens e inteligências;

- da sensibilidade estética e artística;

- do conhecimento do património.

 

Capacitação:

- para ser um agente cultural;

- para respeitar as diferentes culturas.

 

Medidas

Explorar os instrumentos da autonomia e flexibilidade curricular para organizar o horário e calendário escolar que possibilitem a realização destas atividades.

Promover um mapeamento e um portfólio local/nacional, articulando os agentes artísticos do território, as instituições culturais e a escola.

Criar, em cada escola, um programa cultural intencional, diversificado e de qualidade, em parceria com os agentes culturais do território (mochila cultural – em articulação com o Projeto Cultural de Escola do PNA).

ID Cultural: registo das diferentes experiências culturais feitas pelos alunos (CV cultural).

Organizar clubes de artes: bandas de música, grupos de teatro, cineclubes, salas de exposições, rádios..., com o apoio de profissionais.

Propor atividades de fruição cultural para todas as escolas do país, em streaming.

Promover o acesso gratuito/com desconto a instituições e eventos culturais, a famílias: encarregados de educação acompanhados por crianças ou jovens.

Eixo
1. Ensinar e Aprender
Domínio
1.6. + Inclusão e Bem-Estar